Uncategorized

Não custa lembrar ao jornalista…

Jornalistas tratam de muitos assuntos e, muitas vezes, não entendem corretamente os termos de cada área. Isto é um perigo quando os jornais locais não sofrem concorrência.

Belo Horizonte não é nenhuma metrópole econômica: não há sede de bancos, não há uma bolsa de valores suficientemente “grande” e, como em qualquer cidade do mundo, o que se tem são empresas e consumidores.

Nossos jornalistas, portanto, têm um potencial maior de escrever impropriedades. Isto é mais grave quando se sabe que alguns editores se acham no direito de modificar seu texto porque pensam entender melhor do que você como atingir o grande público. De fato, muitos entendem, mas o que dizer se ele se engana e seu texto é publicado de forma truncada? Experimente pedir algum tipo de reparação não-pecuniária: muitas vezes a resposta é de uma arrogância ímpar (muitas vezes, a falta de resposta é o melhor exemplo de como “não ser um bom jornalista”).

Bom, qual o motivo de todo este texto? É para recordar um fato que vi e vivi na época em que trabalhei num departamento de economia que divulgava seus dados em entrevistas coletivas. Você, por exemplo, dizia que “o faturamento passou de 5 para 10%, ou seja, um aumento de cinco pontos percentuais”, e o sujeito publicava no jornal que “a PRODUÇÃO aumentou em CEM POR CENTO”.

Primeiro, uma coisa é faturamento, outra é produção. Perguntar, nestas horas, ajuda. Se você é um destes aprendizes de jornalismo econômico, lembre-se disto.

Segundo, quando eu saio de 5% e vou para 10%, eu ando cinco pontos na escala % (percentual). Outra coisa é você dizer que de 5% para 10% houve um aumento de [(10% – 5%) / 5% ]* 100% = 100% (da taxa de variação da variável “faturamento”). Não é usual dizer isto porque a interpretação, para as pessoas, é mais difícil. Uma taxa de crescimento que, digamos, “cresce”, é, na verdade, uma aceleração. Você pode até dizer isto, mas o mais fácil, para o leitor comum é dizer que aumentou em X pontos percentuais.

Eu aposto que muita gente, por exempolo, deve se confundir sobre o recente aumento da taxa básica de juros do banco central japonês (o BOJ). O correto é como diz o cara da CNN Money.

Parece implicância, mas não é. Vi muito jornalista cometer este erro bobo nesta tal terceira capital do país (sou mineiro, mas não tão imbecil a ponto de ser bairrista). Se você conhece alguém que comete este erro, ajude-o a não cometer mais.

Claudio
p.s. Sim, com a tradução fácil da internet, a possibilidade destes erros diminui, mas não necessariamente você entende tudo que um tradutor automático traduz, certo?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s