Uncategorized

Antigas idéias: eu queria fazer uma camisa…

econ_HP_MINI.jpg

Claudio

Continue lendo “Antigas idéias: eu queria fazer uma camisa…”

Anúncios
História do Pensamento Econômico

O heterodoxo ancestral: John Law


Fonte: esta.

Ao nos debruçarmos sobre estas controvérsias em busca do primeiro grande heterodoxo, e ao encontrar John Law, o financista escocês que conquistou a França com seu Banque Royale, talvez tenhamos achado a síntese de todos eles. [Gustavo Franco, O Plano Real, 1995, p.330]

Eis aí o herói dos economistas heterodoxos (tupiniquins, creio).

Eu fico com Adam Smith, obrigado.

Claudio

Continue lendo “O heterodoxo ancestral: John Law”

Econometria aplicada

Conspirações

Boa pergunta de Thomas Sowell:

Every time oil prices shoot up, there are cries of “greed” and demands by politicians for an investigation of collusion by Big Oil. There have been more than a dozen investigations of oil companies over the years, and none of them has turned up the collusion that is supposed to be responsible for high gas prices.

Now that oil prices have dropped big time, does that mean that oil companies have lost their “greed”? Or could it all be supply and demand — a cause and effect explanation that seems to be harder for some people to understand than emotions like “greed”?

No mínimo, você tem que pensar no assunto antes de cair de braços abertos no colo das teorias conspiratórias sobre “as grandes corporações malvadas”.

Claudio

Continue lendo “Conspirações”

Economia Brasileira

Para que independência legal se a autonomia já basta?

Proposição 1:

“Já que o BCB tem autonomia suficiente, não precisamos discutir sua independência legal”.

Proposição 2:

“Já que o escravo tem autonomia suficiente, não precisamos discutir sua independência legal”.

Claudio
p.s. não me venha com a tal “função social” do BCB. Assim como o escravo livre vai preso por cometer um crime, o presidente do BCB deve ser demitido se não cumprir suas metas. A única diferença, a crucial, é que as metas do BCB devem ser estabelecidas transparentemente, já que não é um indivíduo, e sim um aglomerado de gente.

Continue lendo “Para que independência legal se a autonomia já basta?”

Uncategorized

Sexo

Este estudo é interessante pois nos faz pensar o seguinte: como fica a cabeça de alguém que defende a intervenção estatal em tudo que é canto e que gosta de ouvir estas músicas hip-hop ou rap?

Um argumento complementar: como fica a cabeça do mesmo sujeito quando, apesar de não ouvir estas músicas, ele defenda “até a morte o meu direito de ouví-las”?

Do lado não-normativo, portanto, positivo, o que eu acho interessante é que sempre há alguém capaz de achar este tipo de resultado enquanto outros acham o contrário. O grande problema é o “design” do experimento.

Aí voltamos à parte normativa: só porque um coquetel de drogas ainda não é definitivamente a cura da AIDS devemos proibir seu uso? O mesmo vale para as músicas.

Claudio

Continue lendo “Sexo”

escolha pública

O escândalo da ONU: Coréia do Norte

Falei do tema ontem. A Coréia do Norte tem um governo socialista notável. Tanto que já tem seguidores entre os líderes da esquerda latino-americana.

Já boa parte do pessoal da Coréia do Sul não pensa como os bolivarianos. Aliás, qual seria a posição da diplomacia brasileira sobre o tema? E da venezuelana? Será que concordamos com as ações norte-coreanas?

E, não, Renato, eu não vou perguntar o que Chomsky acha disto (embora dê uma vontade imensa…rs rs rs).

Claudio

Continue lendo “O escândalo da ONU: Coréia do Norte”

microeconomia

Sake wo nomeba, Kuruma wo untenshinai…

What is revolutionary about the NPA proposal is that it bans people from even being passengers in vehicles driven by drunk drivers. Violators would face up to three years’ imprisonment or a fine of up to 500,000 yen.

Thus a person who does not have the courage to refuse the offer of a ride from a drunk driver could also be punished. People would have to keep in mind that when out drinking with friends, accepting a ride back home or to another bar from someone who has been drinking would be treated as a crime.

When it comes to the actual application of the new penalties, however, difficulty arises. Investigators will have to prove that a passenger in a vehicle driven by a drunk driver had prior knowledge that the driver was drunk.

Investigators may also face difficulty when investigating other types of abettors. Nevertheless, the NPA proposal providing punishment for abettors will serve as an admonition to Japanese society, which up to now has shown a general over-tolerance toward driving under the influence of alcohol.

Incentivos novos, mas de implementação não tão simples.

Claudio
p.s. “Se beber, não dirija”.

Continue lendo “Sake wo nomeba, Kuruma wo untenshinai…”