Uncategorized

Gone with the wind

Interesting post by James Hamilton about the sources of the worldwide distribution of income.

Claudio

Continue lendo “Gone with the wind”

Anúncios
Uncategorized

O monopólio das comunicações

Você já imaginou uma empresa de telecomunicações de cobertura nacional nas mãos de um único dono? Não, não é a Rede Globo, nem a Record, ou o SBT. É esta aqui. O que me irrita é o repórter dizer que a Voz do Brasil PODE acabar. Pelo amor de Deus, “pode”? Nem Bush tem tanto poder assim sobre as comunicações dos EUA…

Claudio

Continue lendo “O monopólio das comunicações”

microeconomia

Rodízio de carros – para alunos de economia

Afonso Ferreira, em post hoje (citei anteriormente), fala do problema do rodízio de automóveis.

Pois bem, como seu blog é “Temas em Economia” e ele diz que é um estudo de caso para estudantes, nada mais natural do que o estudante se perguntar: como examino esta política pública com o que eu aprendi em Teoria Microeconômica?

Bem, não é simples. Mas nada na vida é e nem por isto você se suicidou (até hoje, pelo menos…:) ).

Bem, em 1997, na The World Bank Economic Review, dois funcionários do Banco, provavelmente economistas, Eskeland e Feyzioglu publicaram um artigo sobre o rodízio adotado na cidade do México.

Sobre a possibilidade de se adotar um imposto sobre a gasolina, dizem os autores (tenha em mente a importância da função de utilidade quase-linear no que se cita a seguir, p.385 do artigo citado):

Instruments to reduce pollution by reducing polluting trips include gasoline taxes, driving bans, parking fees, highway tolls, and subsidies for public transport. But what are the welfare costs for consumers who sacrifice trips in response to demand management instruments? We make the simplifying assumption that income can be transferred costlessly between households and between the private and the public sectors, allowing us to abstract from income distribution effects and any premium (or penalty) on public revenue generation.

When a trip is sacrificed due to an increase in the tax on gasoline, the value of the sacrificed unit to the consumer is the retail price of gasoline. Thus although some inframarginal units of gasoline (and trips) are worth more to consumers, a higher gasoline tax systematically screens out the trips that are worth the least. This property allows the gasoline tax to reduce trips at the lowest possible welfare cost.

Ok, e quanto ao rodízio? No caso da capital mexicana, era algo como a pessoa deixar de dirigir o carro em certos dias da semana conforme algum critério (numeração de placas, acho eu). Os autores, então, dizem:

Demand reductions resulting from a regulation rarely are this selective. The “Day without a Car” program may curtail trips in households with a very high willingness to pay, and it may block a household’s driving on Tuesday, say, even if the household could more easily have sacrificed other trips. These effects result from the fact that the regulation does not allow trading of the rationed commodity, thus curtailing both inframarginal and marginal trips. (Goddard forthcoming advocates solving part of this problem by making driving permits tradable.) Figure 1 compares the welfare losses from a regulation and a tax increase, with the two calibrated to give the same reductions in demand.

Para o aluno de economia, o mais bacana é ver a figura 1, o gráfico, com as perdas de bem-estar. Bem, aí está.

rodizio_vs_imposto.JPG

Ok, e a conclusão? Aí vai um trecho:

There is thus ample evidence that the ban imposed high compliance costs for households, much higher than those of alternative market-based policies such as gasoline taxes. Moreover, many individuals chose a compliance strategy that led to no reductions—or even increases—in car use and acquired a used car with lower technical standards. Thus results for accidents and pollution could be worse than what is indicated for total gasoline consumption and congestion.
Finally, we should mention that we have not analyzed how regulation and taxation would differ in terms of how costs are distributed. Such differences may exist—it is unclear whether they would favor one strategy—but are hardly relevant when a costly strategy is found to be counterproductive.

Ok, este foi meu “fichamento” sobre o tema. Os alunos do Afonso que vieram até aqui podem – e são convidados a – divertir-se um bocado com o artigo original. Quem encontrar outro artigo sobre o tema, por favor, use nossos comentários.

Claudio

Continue lendo “Rodízio de carros – para alunos de economia”

Uncategorized

Rodízio versus vigilância cingapuriana

Afonso cita Scheinckman no problema do rodízio de automóveis. Particularmente, eu prefiro o imposto sobre a gasolina diferenciado nas cidades.

Claudio
p.s. havia um estudo do Banco Mundial que explicava o rodízio através de oferta e demanda, mas está muito longe, na estante, para uma tentativa razoável a esta hora da manhã…
p.s.2. Pronto, aqui está o artigo.

Continue lendo “Rodízio versus vigilância cingapuriana”