Uncategorized

Carta aberta a um presidiário

“Caro presidiário,

Hoje você tentou aplicar um golpe na minha esposa. Ligou para minha casa e disse que eu havia sofrido um acidente de carro. Ela percebeu a picaretagem por dois motivos: 1) não tenho carro; 2) o seu sotaque. Os teus chiados denunciaram que você é meu conterrâneo e ela já tinha ouvido sobre tal prática.
Uma dica: da próxima vez solte uns “bah” e “tche” no meio da fala. Pode ser que funcione.

Leo.

PS: Não leve a mal ela ter mandado você tomar banho. Sei que aonde você está banho, celular e tudo mais não são bens escassos.”

Continue lendo “Carta aberta a um presidiário”

Uncategorized

Tropeços de John Kay

Acabei uma das minhas leituras de ônibus: John Kay, Culture and Prosperity. É mais um dos bons livros recentes de divulgação sobre Economia, mas com um nível de sofisticação intelectual bem mais elevado do que os demais. O leitor imputado é o europeu culto. Ele dá uma panorâmica da Teoria Econômica contemporânea para o público leigo e chega a tratar, sempre informalmente, de temas complicados como Arrow-Debreu e correlatos. O Claudio não iria gostar porque o sujeito está mais para um Iluminista escocês do que para um neoclássico garybecker hardcore.

Eu sigo recomendando o livro, mas dois tropeços quase acabam como a leitura:
a) O cara acreditou que um daqueles livros inventados pelo J L Borges existiu. Ele cita a obra e coloca até nas referências. Iguinoranssa.
b)Ao criticar a Teoria da Dependência, ele fala o seguinte o “economista” (sic) Fernando Henrique:
“When he became finance minister in 1993 and president the following year, he followed poicies of an impeccably conventional nature. Cardoso suffered the humiliation of being forced to annouce a currency devaluation from a public lavatory to which mobbing crowds had forced his retreat.“.
Esquisito…

Leo

Continue lendo “Tropeços de John Kay”

Humor

Já citei isto aqui, mas…

O Atlético Mineiro foi para a segunda divisão. Talvez os economistas tenham uma pista sobre um dos fatores que influenciaram a queda. Por outro lado, eu, Leo e Ari, em artigo recém-publicado, apontamos outras causas relacionadas.

Por que repito isto? Porque fomos contactados por um blogueiro torcedor do melhor time de Minas (na minha opinião, claro), curioso sobre estes estudos.

Claudio

Continue lendo “Já citei isto aqui, mas…”

Uncategorized

Crônicas de Bruzundanga: o Leão, a Empregada e o Sapo Barbudo

Por questão de higiene, eu tento não postar sobre política nacional. (E sei que, se for importante, o Claudio escreverá sobre o assunto).

Agora, não dá para aguentar essa história de descontar o gasto com empregada doméstica do imposto de renda. Deus do céu! Isso quer dizer que quem pagará a doméstica da classe média será o Tesouro. Não consigo pensar em nada mais injusto.

Leo

Continue lendo “Crônicas de Bruzundanga: o Leão, a Empregada e o Sapo Barbudo”

Uncategorized

Metodologia

O leitor já percebeu que Claudio e Leo gostam de metodologia científica. Culpa parcial devida a Duílio, da PUC-RS, claro. McCloskey também aparece de quando em vez por estas paragens.

Penso seriamente em economizar uma grana e comprar também estes livros do meu filósofo favorito.

Claudio

UPDATE: O Claudio esqueceu de dizer que Mestre Duílio tem um blog sensacional, mas que não deve ser lido por gente com espírito ou neurônios fracos.

Continue lendo “Metodologia”

Uncategorized

Ironias do mundo político

Da Primeira Leitura.

Furnas: Dados sobre sigilo de Dimas Toledo chegam à PF

19h34 — A Polícia Federal começou a receber nesta segunda-feira documentos referentes aos sigilos telefônico e fiscal do ex-diretor de Furnas, Dimas Toledo, acusado de ser o autor da chamada lista de Furnas. Os dados serão cruzados com os resultados de uma auditoria sobre os contratos da estatal, que está sendo feita pela Controladoria-Geral da União (CGU). Segundo relato de um dos investigadores à agência de notícias Reuters, a PF espera encontrar novas linhas de investigação a partir deste cruzamento de dados. Em depoimento à PF e à CPI dos Correios, Dimas Toledo negou a autoria da lista, que contém o nome de 156 políticos, de 12 partidos, que teriam recebido dinheiro de caixa 2 da estatal.

Momentos depois….

Polícia confirma que PT falsificou a assinatura de Tarso

20h31 — Um laudo do Instituto de Criminalística da Polícia Civil do Distrito Federal confirmou que o PT falsificou a assinatura do seu próprio presidente para fazer uma representação contra o deputado Onyx Loreonzoni (PFL-RS) no Conselho de Ética da Câmara no fim do ano passado. Segundo a polícia, a assinatura que consta do documento não confere com a do ex-ministro da Educação Tarso Genro, que presidia o partido à época. Os petistas acusaram Lorenzoni de quebra de decoro por ter divulgado na CPI dos Correios que o ex-deputado José Dirceu (PT-SP) teria recebido R$ 14 mil do PT e não declarado à Receita Federal. O laudo, de doze páginas, é assinado pelas peritas Ivete Silva Rocha e Albaniza Montenegro. Elas concluíram que “as assinaturas são falsas e obtidas por processo de imitação”. O processo contra Lorenzoni pode ser arquivado depois dessa constatação da Polícia Civil. O laudo foi feito a pedido do Conselho de Ética.

E, claro,

Tarso diz que assinou representação contra Lorenzoni

22h05 — O ex-ministro da Educação e ex-presidente do PT Tarso Genro contrariou a conclusão dos peritos da Polícia Civil do Distrito Federal e afirmou que é sua a assinatura que consta da representação contra Onyx Lorenzoni (PFL-RS) apresentada pelo PT ao Conselho de Ética da Câmara. “Se foi comprovado que é falso, alguém adulterou esse documento. E que se puna o responsável. Que eu assinei, assinei, lá de São Paulo”, disse Tarso, comentando o laudo da polícia que concluiu ser falsa a assinatura que consta do documento entregue ao Conselho de Ética (veja nota abaixo). Por causa da conclusão, o órgão pode cancelar o processo contra Lorenzoni. O presidente do Conselho, Ricardo Izar (PTB-SP), disse que este deverá ser um dos temas da reunião administrativa marcada para esta terça-feira, a partir das 14h.

Perguntas pro leitor:

1. a CUT vai apoiar a próxima greve da PF ou não? 🙂
2. Assinar o nome é algo tão difícil assim? 🙂

Este mundo da política…

Claudio

Continue lendo “Ironias do mundo político”

Academia

Políticas Públicas para Leigos

Farmácia Popular falhou; governo quer tentar convênio

00h54 — Por Cristiane Jungblut e Demétrio Weber, n’O Globo: “Depois de anunciar um pacote de habitação e preparar outro para beneficiar trabalhadores domésticos, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva agora resolveu retomar a proposta de levar o programa Farmácia Popular, que não deu maiores resultados até este terceiro ano de governo, também para estabelecimentos da rede privada. A proposta é fazer uma espécie de convênio com farmácias particulares para que vendam medicamentos hoje oferecidos pelas Farmácias Populares do governo, com preços mais baixos ou subsidiados. (…) O programa Farmácia Popular, que foi alardeado por Lula na eleição presidencial de 2002, desde sua criação em 2004 enfrenta problemas para se expandir. A meta original previa que logo no primeiro ano cem unidades seriam abertas. Mas esse número só foi alcançado em fevereiro deste ano, mais de um ano depois. A venda de alguns produtos mais baratos na rede privada, analisada desde 2004, ganhou novo fôlego. (…) A discussão da proposta em ano eleitoral já provocou críticas da oposição. — É uma ação de cunho eleitoreiro. O governo está correndo atrás do prejuízo e quer mostrar serviço, depois de passar três anos produzindo superávits — diz o deputado Rafael Guerra (PSDB-MG), presidente da Frente Parlamentar da Saúde. Mas, segundo o ministério, a expansão para a rede privada estava prevista na lei que criou o programa. O líder do governo na Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP), disse que a medida, se adotada, vai beneficiar a população. Ele negou o caráter eleitoreiro.”

Pergunta ao (e)leitor: o projeto só funciona em ano eleitoral? Ou a oposição é que está criando a fantasia de que “em ano de eleição o governo muda de comportamento”? Ou ambos? Ou nenhum dos dois?

Claudio

Continue lendo “Políticas Públicas para Leigos”