Uncategorized

Cavaco Silva: A Verdade

João Aldeia desfaz lendas sobre Cavaco Silva. Sim, até em Portugal há a “esquerda anaeróbica”…e ela também é desinformada. Rs Rs Rs

Claudio

Continue lendo “Cavaco Silva: A Verdade”

Anúncios
Uncategorized

Crime cibernético tem um custo social. Quanto é?

Se o FBI diz…pode ser verdade.

The FBI calculated the price tag by extrapolating results from a survey of 2,066 organizations. The survey, released Thursday, found that 1,324 respondents, or 64 percent, suffered a financial loss from computer security incidents over a 12-month period.

The average cost per company was more than $24,000, with the total cost reaching $32 million for those surveyed.

Gostaria que nossos valorosos leitores me ajudassem: há alguma estatística sobre isto no Brasil?

Claudio

Continue lendo “Crime cibernético tem um custo social. Quanto é?”

Uncategorized

Imagine isto no Brasil

Esta história é boa. Um republicano vai até uma universidade para pregar aos jovens universitários republicanos que façam alianças com outros grupos.

Quando ele chega lá, líderes estudantis dos republicanos e dos libertários pedem ajuda a ele. Por que? Porque o governo resolveu processar os grupos com base numa lei anti-discriminação. Agora, o que diz a lei?

“The Anti-Discrimination statement must include that student organizations may not discriminate on the basis of race, color, creed, religion, gender, age, national origin, disability, military, veteran status, political affiliation or sexual orientation.”

É como obrigar o José Dirceu a assinar a ficha de filiação do Maluf ou o Stédile a aceitar Caiado no MST.

É o Leviatã, como sempre, fazendo-me rir.

Claudio

Continue lendo “Imagine isto no Brasil”

Desenvolvimento econômico

Islamismo

O Leo indicou e eu fui lá conferir. Excelentes comentários sobre religiões e desenvolvimento econômico. Coisa realmente fina.

O melhor de tudo é que, quando olhamos a mídia (blogs inclusos) brasileira, vemos alguns comentaristas – agora sim, da “direita anaeróbica” (SSoB adora isto) – que insistem em certa superioridade do cristianismo para o desenvolvimento de uma economia de mercado. Entretanto, nunca vi argumentos convincentes, ou seja, com evidências estatísticas bem fundamentadas.

Pessoalmente, sinto falta, na blogosfera nacional, de alguém que faça ponte entre religião e economia. Lá fora isto não é problema. Por exemplo, há gente como Timur Kuran fazendo isto com muita propriedade. Mas, no Brasil, pouco vejo sobre o tema, inclusive na academia. Talvez não seja mesmo um assunto muito interessante para brasileiros. Ou talvez não tenhamos percebido que nosso país possui uma dimensão geográfica tal que não se preocupar com a realidade mundial pode ser um erro. Sei lá.

Em post anterior, de hoje mesmo, fiz crítica similar sobre o mau uso dos argumentos “Gramsci vem aí, escondam as crianças”. Todos eles rapidamente adotam a justificativa de que “é difícil medir o fenômeno” e partem para a porrada normativa, esquecendo-se da análise positiva. O mesmo acontece no caso do islamismo. Antes de condecorarmos nosso Papa pelos progressos feitos, que tal pensarmos na análise que Tabarrok apresenta no Marginal Revolution?

Acho que é, no mínimo, uma boa sugestão.

Claudio

Continue lendo “Islamismo”

Humor

Estratégia da Ricardona – Humor

Eu e meu irmão almoçamos juntos hoje, após enfrentar a pouca eficácia de um certo grande banco privado (mas o atendimento estava ok). Durante o almoço, o telefone toca. Tiro-o do bolso, reparo no número. Nada conhecido. Quando vou atender, desligam.

Coloquei-o no bolso e, novamente, ele toca. Agora com a famosa “ID suprimido”.

“- Agora que não atendo!” disse ao meu irmão.

Parou de tocar.

Pago a conta, vamos até o estacionamento. Na entrada, novamente toca, agora com o número. Atendo.

– Alô, é o Romeu?
– Não.
– É o XXXXX (meu número)?
– Sim, é, mas não sou o Romeu.

Desligo. Até o momento não tocou de novo.

Hipóteses:

i. Ricardona teme a esposa.
ii. Sujeito deu o número errado para a namorada de ocasião.

Alternativas?

Claudio

Continue lendo “Estratégia da Ricardona – Humor”

Uncategorized

Punido por vender mais barato

O Vitor do Fábrica de Alfinetes mandou a seguinte notícia:

Procon autua postos do Carrefour e Extra

As quatro lojas do Hipermercado Carrefour e a do Hipermercado Extra em Goiânia foram autuadas… sob a acusação da prática de dumping na comercialização da gasolina comum.

… a fiscalização constatou documentalmente que as duas empresas adquiriram a gasolina da distribuidora Ipiranga a R$ 2,33 o litro e estavam comercializando o produto a R$ 2,19.
…O dumping é uma prática de concorrência desleal, que se caracteriza pela comercialização de um bem ou serviço a preço inferior ao seu próprio custo… Antônio Carlos de Lima diz que para a prática de dumping o Código de Defesa do Consumidor prevê multas que variam de R$ 213,00 a R$ 3,2 milhões, conforme a capacidade econômica do autuado. “Isso significa que em caso envolvendo empresas do porte dos hipermercados Carrefour e Extra, as multas são sempre milionárias”, diz o superintendente do Procon-Goiás.

Perder R$0,14 por litro? Três hipóteses:
a) Os administradores do Carrefour e do Extra são otários.
b) Os administradores do Carrefour e do Extra são maus. Querem fazer uma promoção para a quebrar todos os postos de gasolina de Goiânia. Depois, só vão vender gasolina a preços caríssimos. Hoje Goiás, amanhã o mundo. (A propósito, eles também terão que criar um jeito de impedir que se criem novos postos)
c) Os administradores do Carrefour e o Extra não fazem nada demais. A estratégia deles inclui vender alguns produtos com prejuízo. Para ter divulgação e atrair compradores para as lojas, eles reduzem os preços de alguns produtos até o ponto de terem margens negativas. Por vezes é o leite, a coca-cola ou qualquer outro produto de fácil comparação.

Qual foi o único grupo que saiu ganhando? Os donos de postos e – quem sabe? – os tais fiscais.

Leo.

Continue lendo “Punido por vender mais barato”

escolha pública

Katrina, a crítica gramsciana-liberal da mídia… e a Escolha Pública

Eis aí o artigo, a sair na Public Choice e seu abstract:

We use public choice theory to explain the failure of FEMA and other governmental agencies to carry out effective disaster relief in the wake of Hurricane Katrina. The areas in which we focus are: (1) the tragedy of the anti-commons resulting from layered bureaucracy, (2) a type-two error policy bias causing over cautiousness in decision making, (3) the political manipulation of disaster declarations and relief aid to win votes, (4) the problem of acquiring timely and accurate preference revelations, (5) glory seeking by government officials, and (6) the shortsightedness effect causing a bias in governmental decision making.

Do mesmo autor, também, interessante análise da manipulação da mídia com evidência empíricas para a Romênia. Eis um trecho:

In economics, the public interest theory of media suggests the desirability of statecontrolled media. It maintains that private media are likely to suffer from problems of under-provision owing to the public goods characteristics of information. Furthermore, according to this theory, private media outlets have profit-driven incentives to sensationalize the news, entertaining instead of informing consumers, leading to a less knowledgeable public. In the public interest theory, state-controlled media correct these deficiencies.

Although they do not necessarily endorse state-provision of mass media, several sociological theories of the media point to similar problems of leaving the media in to the market. Among these approaches is that offered by critical theorists and neo-Marxist writers who fear the concentration of media power in private hands. According to their arguments, market-based media can lead to unhealthy control of society by those in superior economic positions to the disadvantage of those who are not as well off (see, for instance, Bagdikian 1990; Herman and Chomsky 1988; Gramsci 1978).

Economista talentoso este Leeson. Além de analisar os aspectos econômicos, não descuida dos argumentos sociológicos. No Brasil, lamentavelmente, fala-se muito de “revolução gramsciana” mas pouco se faz para se modelar e testar a evidência disto na prática. Leeson não faz isto de maneira robusta o que não impede um aluno/pesquisador de avançar o argumento para nossa compreensão da realidade. Sem dúvida um prato cheio para leitores deste blog.

Claudio

Continue lendo “Katrina, a crítica gramsciana-liberal da mídia… e a Escolha Pública”