Organização Industrial

Ainda a ponte aérea (gráfico do dia)

marketshare.jpg

Novamente, a fonte é o DAC. Agora, a perguntinha bacana é: como tem evoluído o market share ao longo dos anos? Há maior competição? Consumidores têm se beneficiado desta mudança? Eu aposto que a resposta é para todas estas perguntas é um moderado “sim”.

Claudio

Continue lendo “Ainda a ponte aérea (gráfico do dia)”

Organização Industrial

Pontualidade brasileira

O DAC possui várias estatísticas interessantes sobre o setor aéreo. Uma delas é o índice de pontualidade. Se você é daqueles que sofre no aeroporto, eis sua chance de descobrir o quanto seu companheiro de sala de espera está pior ou melhor que você.

Para ver a evolução do índice em 2004, clique aqui. A fonte dos dados (e a tabela) você encontra no DAC.

Primeira lição: nem sempre pontualidade é sinônimo de bons resultados financeiros…

Claudio

Continue lendo “Pontualidade brasileira”

Uncategorized

Tecnologia e a Microeconomia do Orgasmo

Vejam essa matéria da Slate sobre a história do vibrador desde 1880. Fica evidente que sua evolução técnica reduziu os custos do orgasmo feminino induzido articialmente. Um pouco de microeconomia: pense que existem apenas dois bens: orgasmos individuais (OI) e orgasmos com companhia (OC, isto é, orgasmos obtidos com o auxílio do parceiro).

Para as mulheres os ganhos de bem-estar de bem-estar são inequívocos. O avanço técnico do vibrador fez com que o OI caisse de preço e, portanto, curvas de indiferença mais altas fossem alcaçadas. Se deram bem, sem dúvida, e estão tendo mais OI (OI não é bem de Giffen).
Mas e para o bem-estar dos homens*? O OC feminino tem a vantagem adicional de induzir OC no parceiro. Se o efeito-substituição for forte e o efeito-renda não for capaz de compensá-lo, a queda de preço do OI levará a um número menor de OC femininos. (Se ficou na dúvida, faça o desenho das curvas de indifereça e da restrição orçamentária). O menor número de OC femininos leva a menos OCs nos homens, que terão que resolver o problema com as próprias mãos (desculpem o jogo infame de palavras) e demandarão mais OI.
Outra forma de ver a questão, é imaginar que a evolução dos vibradores e da pornografia levam a um aumento do preço relativo do OC (isto é, à queda do OI) para o indivíduo e para seus parceiro. Estaria aí a explicação por que tais tecnologias de prazer individual tendem a ser reprovadas pelos parceiros.
Ok, a relação entre OI e OC feminino é bem mais complicada, tem ganhos de aprendizado e tudo mais. Contudo, esse exemplo serve para animar aulas de microeconomia na sexta-feira e almoços familiares no domingo.

Por fim, uma sugestão de política:
– Cara mulher de economista: caso o seu companheiro descubra seu vibrador, basta você dizer: “Seu bobo, meu efeito-renda do vibrador é
tão positivo e forte, que eu vou demandar até mais orgasmos em sua companhia.” Ele ficará em paz.

Leo

* Pensei em relações heterosexuais, mas acho que a análise pode ser aberta para o homessexualismo também.

Continue lendo “Tecnologia e a Microeconomia do Orgasmo”